01
Set 11

Insecticida caseiro e natural

Hoje deixo aqui uma receita bem valiosa para quem trata de plantas.

Já ha algum tempo que travo uma luta com uma praga de mosca branca que resolveu atacar as minhas plantas.

Passei mais de um mês a usar uns venenos toxicos que me recomendaram. E as moscas nunca sumiram totalmente. Agora com esta receita caseira não ha mais praga ao fim de aplicar 2 dias seguidos nas plantas.

 

 Aqui vai: 1 litro agua 12 gotas de alcool 3 colheres sopa de detergente da louça

Mexer levemente ser criar muita espuma e colocar num borrifador. Borrifar bastante as plantas sem esquecer a parte de baixo das folhas onde ficam os ovos. Imagino que dê para a maior parte das pragas, nao custa nada tentar.

Também já me disseram que o alcool nem faz falta, que é o detergente que faz tudo. Talvez seja mas isso nem cheguei a experimentar.

publicado por oxarim às 00:41 | comentar | favorito
04
Jun 11

desflorestação persiste na Amazónia

 

É com muita pena que partilho esta notícia que li no site da Quercus.

 

 

 

 

Desflorestação persiste na Amazónia.

 

Morte de quatro activistas denuncia incapacidade de travar práticas ilegais

 

 

No passado dia 24 de Maio, foram mortos no Brasil José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo. O casal desenvolvia um projecto de exploração sustentável da floresta com 500 famílias de extrativistas, que sobrevivem da venda de óleos vegetais e de frutas como o açaí e o cupuaçu. Dias depois, Herenilton Pereira dos Santos, testemunha do homicídio de José e Maria, também foi assassinado na mesma região. Os ambientalistas faziam parte do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, organização fundada por Chico Mendes, assassinado em 1988 por denunciar conflitos de terra e exploração ilegal de madeira.

 

 

No dia 27 de Maio foi também assassinado Adelino Ramos, activista que tinha vindo a denunciar a acção de madeireiros na região da fronteira entre os estados de Acre, Amazónia e Rondónia. Já no início desse mês, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) iniciou uma operação no local, onde apreendeu madeira cortada e gado bovino que se encontrava em áreas legalmente protegidas, sendo que tal leva a crer que esse tenha sido o motivo de sua morte.



As eternas ameaças sobre a Amazónia
A maior ameaça às florestas e à biodiversidade no Brasil é, de acordo com ONGA´s brasileiras, a desflorestação. Nessa perspectiva, o Ministério do Meio Ambiente Brasileiro, com diversas parcerias, entre elas algumas internacionais como a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), já começou a mobilizar a sociedade civil para a elaboração de um plano brasileiro de implementação das metas da CDB - Convenção sobre Diversidade Biológica. Porém, conforme aponta o WWF Brasil, o cumprimento dos vários compromissos internacionais assumidos por este país, e a manutenção e conservação das florestas e dos recursos naturais estão em jogo com as alterações propostas no âmbito do novo Código Florestal.



Com efeito, a procura internacional de madeira, pasta de papel, carne e soja são o grande motor por detrás da desflorestação insustentável da Amazónia, Património Mundial, e de outras zonas florestais de grande biodiversidade, e é urgente uma acção mais enérgica da comunidade internacional para a resolução destas questões.

publicado por oxarim às 00:07 | comentar | favorito
30
Abr 11

Pastagens amigas do ambiente em Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi mesmo agora que RTP1 passou uma reportagem no telejornal sobre uma inovação nacional a nível da pecuária.

 

Trata-se de pastagens amigas do ambiente, com alta produção, que ajudam à redução das emissões de carbono e à redução do uso de rações na alimentação do gado.

 

Segundo a empresa Terraprima, responsável por este conceito nestas pastagens é semeado um conjunto de sementes variadas. Esta variedade permite maior resistencia das colheitas e incluem também leguminosas, que enriquecem o solo em azoto e diminuem assim a necessiade de fertilizantes. A partagem renova-se automáticamente durante vários anos sem que seja necessário voltar a semear. Nisto poupam-se recursos e energia. 

A matéria orgânica das plantas mortas mantém-se no solo fixando-se assim o carbono que de outra forma iria parar à atmosfera como dióxido de carbono. Por isso estas pastagens ajudam a reduzir a pegada de carbono portuguesa e a cumprir o acordo de Quioto.

 

Conheçam mais sobre esta assunto no site da Terraprima, aqui. Passem a palavra, quantos mais produtores de gado adoptarem este sistema melhor será para todos nós.

publicado por oxarim às 13:45 | comentar | favorito
12
Abr 11

Adubo caseiro

 

Não é preciso ter uma composteira para fazer adubo natural para as suas plantas.

Basta juntar restos orgânicos como a borra do café, cascas de frutas e vegetais (cortadas em pedaços pequenos) e adicioná-los aos vasos das plantas. Para isso convem fazer um pequeno buraco e enterrar as cascas. Se não ficarem cobertas por terra terão tendência a ganhar mofo.

Quanto maior a variedade de cascas mais rico será o adubo. Não exagere na dose pois é preciso dar tempo para que as cascas se desintegrem., senão em poucos dias terá mais lixo do que terra. Convém lembrar que as cascas e restos de vegetais e frutos devem estar crus e sem tempero.

 

É uma boa forma de reduzir o seu lixo e não recorrer a fertilizantes químicos.

publicado por oxarim às 14:14 | comentar | favorito
01
Abr 11

Horta de Varanda

 

Tal como já foi mostrado num post antigo tenho dedicado algum tempo à minha horta de varanda.

 

Os mesmos morangueiros do post anterior já começam a dar algumas amostras de morangos e algumas flores promissoras. Não são tão rápidos como os de estufa, que já andam nas lojas mas em geral são mais saborosos e de aroma mais concentrado.

 

 

 

 

 

 

Salsa fresquinha semeada há uns meses.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

E à segunda tentativa um pequeno pé de hortelã, que já começa a ter algum cheiro.

 

 

 

 

Não são estas pequenas que vão diminuir a minha pegada de carbono mas sempre são um começo. E dá muito gosto seguir a sua evolução desde a semente até por fim tê-las no prato.

 

São muitas as variedades de pequenos frutos, legumes e ervas aromáticas que podemos plantar em vasos com sucesso. Escolha aqueles que mais gosta e comece já a sua pequena horta também. Não lhe gastará muito tempo, ainda menos dinheiro e poderá ter uma pequena amostra de alimentos de qualidade.

publicado por oxarim às 23:29 | comentar | favorito
13
Fev 11

Plantar uma árvore

 

Plantar uma árvore é uma das formas de ajudar o planeta e melhorar a qualidade de vida de todos nós. É também uma das boas acções com mais efeitos a longo prazo, pois se tudo correr bem a árvore ficará por cá muitos mais anos do que nós.

 

Foi a pensar nisso que me juntei ontem numa acção do projecto criar bosques em Braga.

Com a participação de umas boas dezenas de voluntários plantaram-se vários carvalhos na zona do Bom Jesus.

 

Daqui a uns anos teremos uma nova área arborizada de que poderemos todos usufruir.

 

Se quiser participar em novas acções, ceder mudas de árvores, ou espaços para arborizar, pode ver aqui a explicação do projecto.

Na página da Quercus são anunciadas as próximas actividades.

publicado por oxarim às 18:37 | comentar | favorito
23
Out 10

Os trangénicos já estão no seu prato - saiba quais alimentos

 

 

Explicando de forma simples podemos dizer que um alimento transgénico é um alimento cujo ADN foi modificado pelo homem. Para quem não sabe, o ADN é como que um código químico presente em todas as células que determina todas as características de um ser. Imagine por exemplo que há uma dada espécie de fruto que tem uma polpa doce mas uma casca muito dura e espessa. O que se poderia tentar a nível de genética seria mudar o ADN das células desse fruto introduzindo uma informação (presente por exemplo em outro fruto) que levasse-o a produzir uma casca fina e mole. Teriamos assim um fruto doce com casca fina o que poderia ser bom para comercializar.Isto é só um exemplo do que se pode tentar fazer a nível de genética. Na verdade há soluções muito complexas mas que visam sempre algum lucro final, no caso dos alimentos trangénicos.

Tudo isto poderia ser muito proveitoso, não fosse dar-se o caso de ainda não sabermos o suficiente sobre o efeito de transgénicos na nossa alimentação. Ao mexer no ADN estamos a interferir na essencia de um ser e a alterar aquilo que a selecção natural levou milhares de anos a aperfeiçoar. Apesar de nos poder trazer imensos benefícios acho pessoalmente que a engenharia genética deveria ser usada com precaução e com legislação rigorosa. Mesmo para além da questão ética o que se impõe neste momento é o direito de informação e escolha por parte do consumidor. Uma vez que os riscos dos trangénicos na alimentação ainda não estão claros deveria ser dado ao consumidor a hipotese de escolher se quer ou não consumí-los.Isto para não falar na possivel contaminação indirecta, ao comer carne de animais alimentados com transgénicos.

 

Sabia por exemplo que vários óleos alimentares à venda em Portugal são já geneticamente modificados? Clique aqui e veja quais. Haverá provavelmente mais alimentos trangénicos do que os rotulos revelam. Para mais informações sobre o assunto, a para agir contra a difusão descontrolada dos trangénicos siga este link.

publicado por oxarim às 16:13 | comentar | favorito
31
Jul 10

Detergentes amigos do ambiente... serão necessários?

 

Em alguns supermercados já começam a se encontrar detergentes chamados de ecológicos. Sem uma explicação adequada os consumidores podem facilmente pensar que o rótulo é mais uma arma comercial para tentar se aproveitar de quem quer ajudar o planeta.

 

Em meados do século XX começaram a ser introduzidos fosfatos inorganicos nas fórmulas dos detergentes para ajudar a melhorar o seu desempenho. O seu uso tornou-se generalizado e com o passar dos tempos esses fosfatos foram parar a lagos e outros cursos de água.

Nesses meios aquáticos (principalmente quando não há muita corrente) os fosfatos actuam como nutrientes que ajudam ao crescimento excessivo de algas e outra vegetação aquática que fica à superficie. Toda essa vegetação à superficie bloqueia a luz solar, o que faz com que as plantas no fundo dos lagos morram. Estas plantas deixam de servir de alimento a outros seres a além disso são decompostas por bactérias aeróbias(que consomem oxigenio). O crescimento em número destas bactérias diminui a quantidade de oxigenio disponível, o que pode levar à morte de praticamente toda vida aquática do meio. Todo este processo é chamado de eutrofização e é também agravado pelas descargas industriais e pelo uso de fertilizantes. Imagine que usa um fertilizante sintético no seu jardim para melhorar o crescimento das suas plantas. Este é absorvido pela terra e pode ir parar a um lençol de água podendo ser levado ao rio mais próximo alimentando as algas que aí se encontram.


Uma substância aparentemente inofensiva pode levar a uma reacção em cadeia e levar ao desaparecimento de lagos.

 

 

Cá está um bonito exemplo de uma destas plantas que proliferam à superficie das águas e que se têm adaptado muito bem à nossa poluição.

 

O que estes novos detergentes oferecem são fórmulas sem estes fosfatos.

A solução é a mesma de sempre: evitar excessos e optar por tudo que for mais natural. Usar apenas a quantidade de detergente necessária (muita limpeza pode ser feita só com água ou com quantidades mínimas de produtos), usar sabão tradicional de receitas caseiras, usar fertilizantes orgânicos (guarde restos como cascas de fruta ou de ovos para usar como adubo), etc.

 

Podem encontrar informação mais detalhada sobre este assunto aqui, por exemplo.

 




 

 

 

publicado por oxarim às 13:55 | comentar | favorito
25
Mai 10

Horta de varanda

 

Já muito se tem falado sobre a necessidade de consumir produtos produzidos na nossa região, especialmente a nível de alimentação. Isto nem sempre é muito fácil e mais cedo ou mais tarde acabamos por falhar neste ponto. Não venho trazer aqui nenhuma solução milagrosa apenas incentivar algum cultivo caseiro. Como muitos portugueses vivo num apartamento, sem possibilidade de cultivar grande coisa. No entanto podemos sempre ter a horta de varanda como lhe chamo. Há várias ervas aromáticas e até alguns frutos e cereais que podem ser plantados em vasos. Eu escolhi os morangos e a hortelã. Aqui estão os primeiros resultados. (depois de uma primeira tentativa falhada a segunda remessa de sementes de hortelã teima em não germinar...)

Mais do que realmente fazer a diferença consumindo produtos da região esta é uma forma de nos ligarmos com a terra e de produzirmos algo nosso que nos dá muito prazer a consumir. E é uma boa actividade para as crianças. Escolha o fruto, erva ou cereal do seu agrado e mãos na terra.

 

Aqui fica um link que pode ajudá-lo

 

Organic Gardening

 

 

publicado por oxarim às 14:24 | comentar | ver comentários (1) | favorito
07
Abr 10

Diga não a arroz trangenico em Portugal

 

Pela primeira vez uma empresa (Bayer) pretende comercializar arroz transgénico na União Europeia. Até aqui as plantas transgénicas estavam praticamente limitadas às rações animais. Mas agora a engenharia genética chegou directamente ao nosso prato.


A empresa Bayer pretende que a UE aprove até ao final de 2009 a importação e consumo do arroz LL62, um arroz transgénico que é muito diferente do arroz convencional tanto em termos de vitaminas (B5 e E), como em cálcio, ferro e ácidos gordos. Este arroz foi manipulado para se tornar resistente a grandes doses do herbicida glufosinato, (também da Bayer). Isso significa que cada bago de arroz transgénico vai ter mais resíduos desse poluente do que qualquer outro tipo de arroz - e o glufosinato foi avaliado como sendo de «alto risco» para o ser humano e outros mamíferos.


Esse herbicida glufosinato é tão tóxico que já foi decidida a sua proibição na União Europeia a partir de 2017. Se a União Europeia aprovar o arroz transgénico é como estar a dizer: «Não permitimos cá este herbicida, mas não queremos saber se abrimos as portas para este arroz ser produzido noutros países que assim vão ficar poluídos. Também não nos interessa se o glufosinato, apesar de proibido, acaba por voltar a entrar na nossa cadeia alimentar através do arroz que importarmos.»

Os resíduos do herbicida não desaparecem quando se coze o arroz e a entrada do arroz transgénico na Europa, segundo documentos da própria empresa Bayer, vai levar à contaminação dos campos de cultivo de arroz normal.

Neste momento não existe cultivo comercial de arroz transgénico em país algum do mundo. A Bayer quer forçar a União Europeia a aprovar a importação do arroz LL62 de modo a depois começar o cultivo em países com legislação mais frágil. A consequências será a contaminação das variedades de arroz um pouco por todo o mundo. E finalmente a União Europeia ver-se-á obrigada a autorizar o cultivo transgénico também por cá, porque – tal como já acontece com outras espécies – as variedades normais de arroz terão ficado irremediavelmente comprometidas.

Mas nada está perdido. Ainda estão pela frente duas votações em Bruxelas, uma a nível de comité regulador e outra no Conselho de Agricultura, que ainda não têm data marcada. Portugal tem 12 votos e são necessários 91 votos contra para bloquear esta aprovação. Para a chumbar definitivamente é preciso reunir 255 votos (existe um total de 345 votos no Conselho). Se Portugal se abstiver é como se estivesse a votar a favor - só um voto contra é que interessa! Por isso vale a pena mostrar ao ministro de que lado temos de nos colocar, porque a nossa posição pode fazer a diferença na balança europeia.

 

 

Para ajudar pode aceder ao site www.stopogm.net onde terá um modelo de carta a enviar ao ministro da agricultura manifestando a sua oposição à comercialização deste arroz. Só tem que copiar esta carta, alterá-la se pretender, e enviar para os endereços indicados no site (postal e electrónico).

publicado por oxarim às 13:14 | comentar | favorito