04
Jun 11

desflorestação persiste na Amazónia

 

É com muita pena que partilho esta notícia que li no site da Quercus.

 

 

 

 

Desflorestação persiste na Amazónia.

 

Morte de quatro activistas denuncia incapacidade de travar práticas ilegais

 

 

No passado dia 24 de Maio, foram mortos no Brasil José Cláudio Ribeiro da Silva e Maria do Espírito Santo. O casal desenvolvia um projecto de exploração sustentável da floresta com 500 famílias de extrativistas, que sobrevivem da venda de óleos vegetais e de frutas como o açaí e o cupuaçu. Dias depois, Herenilton Pereira dos Santos, testemunha do homicídio de José e Maria, também foi assassinado na mesma região. Os ambientalistas faziam parte do Conselho Nacional das Populações Extrativistas, organização fundada por Chico Mendes, assassinado em 1988 por denunciar conflitos de terra e exploração ilegal de madeira.

 

 

No dia 27 de Maio foi também assassinado Adelino Ramos, activista que tinha vindo a denunciar a acção de madeireiros na região da fronteira entre os estados de Acre, Amazónia e Rondónia. Já no início desse mês, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) iniciou uma operação no local, onde apreendeu madeira cortada e gado bovino que se encontrava em áreas legalmente protegidas, sendo que tal leva a crer que esse tenha sido o motivo de sua morte.



As eternas ameaças sobre a Amazónia
A maior ameaça às florestas e à biodiversidade no Brasil é, de acordo com ONGA´s brasileiras, a desflorestação. Nessa perspectiva, o Ministério do Meio Ambiente Brasileiro, com diversas parcerias, entre elas algumas internacionais como a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN), já começou a mobilizar a sociedade civil para a elaboração de um plano brasileiro de implementação das metas da CDB - Convenção sobre Diversidade Biológica. Porém, conforme aponta o WWF Brasil, o cumprimento dos vários compromissos internacionais assumidos por este país, e a manutenção e conservação das florestas e dos recursos naturais estão em jogo com as alterações propostas no âmbito do novo Código Florestal.



Com efeito, a procura internacional de madeira, pasta de papel, carne e soja são o grande motor por detrás da desflorestação insustentável da Amazónia, Património Mundial, e de outras zonas florestais de grande biodiversidade, e é urgente uma acção mais enérgica da comunidade internacional para a resolução destas questões.

publicado por oxarim às 00:07 | comentar | favorito
30
Abr 11

Pastagens amigas do ambiente em Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Foi mesmo agora que RTP1 passou uma reportagem no telejornal sobre uma inovação nacional a nível da pecuária.

 

Trata-se de pastagens amigas do ambiente, com alta produção, que ajudam à redução das emissões de carbono e à redução do uso de rações na alimentação do gado.

 

Segundo a empresa Terraprima, responsável por este conceito nestas pastagens é semeado um conjunto de sementes variadas. Esta variedade permite maior resistencia das colheitas e incluem também leguminosas, que enriquecem o solo em azoto e diminuem assim a necessiade de fertilizantes. A partagem renova-se automáticamente durante vários anos sem que seja necessário voltar a semear. Nisto poupam-se recursos e energia. 

A matéria orgânica das plantas mortas mantém-se no solo fixando-se assim o carbono que de outra forma iria parar à atmosfera como dióxido de carbono. Por isso estas pastagens ajudam a reduzir a pegada de carbono portuguesa e a cumprir o acordo de Quioto.

 

Conheçam mais sobre esta assunto no site da Terraprima, aqui. Passem a palavra, quantos mais produtores de gado adoptarem este sistema melhor será para todos nós.

publicado por oxarim às 13:45 | comentar | favorito
09
Ago 10

Tigres em extinção

 

Muito se tem falado sobre a importância da biodoversidade e da rápida extinção de várias espécies.

Mas isto por vezes pode soar a exagero e distante do nosso quotidiano, e facilmente desprezamos estes apelos. Ouvimos que determinada espécie se extinguiu e lembramos dos dinossauros e das aulas de história. Mas é tudo mais real e próximo do que imaginamos.

 

E se lhe disser que neste momento estima-se que já só existam 3200 tigres no mundo? Parece impossível? Saiba que é possível que ainda viva para ouvir a noticia de que já não há nenhum tigre vivo. Sim, esse animal que é quase um ícone da vida selvagem que desde pequenos vimos em lindas imagens e até em desenhos animados (eu sou da era do Aladino). Estamos numa época de mudança mas não por razões naturais. Os tigres não estão a morrer devido a uma mudança climatérica ou a uma nova doença, estão a morrer por nossa causa. A caça ilegal para venda de peles, ossos e órgãos e a destruição dos seus habitats são as verdadeiras causas.

 

E que posso eu fazer uma vez que não caço tigres, não destruo florestas e vivo em Portugal?

 

  • Obviamente diga não ao uso de pele animal participando em campanhas.
  • A medicina chinesa usa partes de órgãos de tigres como ingredientes para vários "remédios" e superstições. Diga não a todos estes produtos.
  • Florestas tropicais que serviam de habitat aos tigres têm sido destruidas não só pela necessidade de terreno mas também pelas madeiras exoticas. Procure saber sempre a proveniencia das madeiras daquilo que compra e não dúvida não compre madeiras exóticas.
  • Faça uma doação para esta causa aqui.

Só um esforço conjunto pode trazer resultados e evitar a extinção destes animais.

publicado por oxarim às 20:43 | comentar | ver comentários (1) | favorito
28
Jul 10

Fim das touradas na Cataluña

 

Este não é propriamente um post em prol da conservação do planeta mas trata do respeito pelos animais e defesa dos seus direitos.

Hoje o parlamemto da Cataluña proibiu as touradas a partir de 2012. Não foi uma maioria esmagadora que votou a favor da proibição como eu desejaria mas finalmente deu-se um grande passo para acabar com esta pratica de violencia.

Considero uma vergonha que ainda hoje se maltratem animais em prol de manter a tradição. Custa-me ver que há quem tenha gosto em ver um animal sofrer e insista num acto de atentado aos direitos dos animais só para manter uma prática antiga.

 

 

Quanto aos forcados apesar de achar ridículo ainda consigo suportar: enfrentam o touro sem armas, quase de igual para igual (não fossem muitos homens contra um animal). Agora subir num cavalo (que por vezes sai ferido "e nem tinha nada a ver com o assunto") para estar numa posição desigual e favorável à sua propria defesa, para poder atacar o touro de cima, isto para mim é cobardia.  Levar o animal à exaustão com sucessivas investidas e no fim matá-lo, isto para mim é pura crueldade.

 

Espero que outras regiões sigam o exemplo para que possamos finalmente acabar com estas práticas selvagens e absurdas.

 

 

publicado por oxarim às 16:09 | comentar | ver comentários (2) | favorito